Atendidos pelo Bolsa Família com acesso bloqueado ao benefício; como resolver

O Bolsa Família ficou ainda mais importante para as pessoas de baixa renda durante a pandemia do novo coronavírus, que tirou o sustento de milhares de trabalhadores informais pelo país. Em meio a essa situação, pessoas atendidas pelo programa têm relatado que não conseguem mais acessar o valor pago pelo benefício. Isso porque algumas contas estão sendo bloqueadas. 

De acordo com as diretrizes de participação do Bolsa Família, o cancelamento do pagamento do benefício pode acontecer quando há descumprimento de algum requisito necessário para se manter no programa. Quando essa violação acontece, automaticamente, as parcelas ficam suspensas. 

Nem sempre é possível saber exatamente o que está sendo questionado no cadastro do Responsável Familiar (a pessoa que recebe o dinheiro em nome dos membros da família) apenas consultando o aplicativo Bolsa Família CAIXA. 

É aconselhável que quem fizer parte do programa de assistência e estiver passando pelo problema se dirija ao CRAS (Centro de Referência da Assistência Social) mais próximo para tentar a regularização. 

O que pode ocasionar a suspensão do auxílio? 

No geral, os problemas que envolvem bloqueio de contas são relacionados a dados cadastrais desatualizados e mudanças no núcleo familiar, seja porque há menos membros dependendo financeiramente por motivo de novo vínculo empregatício ou por motivo de falecimento. 

Tratando-se destas possibilidades, cabe ao beneficiário se manifestar para alterar os dados, dizer inclusive se houve mudança de endereço, se houve nascimento recentemente na família, ou informar nova renda, por exemplo.  

De qualquer maneira, vale lembrar que é preciso que essas informações sejam atualizadas de dois em dois anos no local em que o beneficiário fez o Cadastro Único (CadÚnico). 

As regras para se manter no Bolsa Família exigem também que o principal  responsável garanta que as crianças e adolescentes de até 17 anos inscritas no programa sejam matriculadas na escola e permaneçam estudando.  

Outro critério imposto para receber o benefício diz respeito a gestantes, bebês ou crianças que ainda amamentam. No caso, elas devem ser frequentes nas consultas médicas para que um profissional de saúde possa acompanhar tanto a gestação quanto o desenvolvimento infantil. Caso contrário, o pagamento do auxílio também poderá ser questionado. 

Quando o cidadão inscrito no programa percebe o bloqueio deve imediatamente buscar solução, atualizando os dados e se adequando ao cumprimento das exigências dentro do período de no máximo 6 meses, para não ser cancelado no Bolsa Família. 

Aqueles que deixaram de receber as parcelas do benefício, mas resolveram as pendências com o sistema no CRAS, voltarão a ter acesso ao dinheiro das parcelas futuras e também serão ressarcidos com o valor das parcelas que haviam sido suspensas. 

 

Ludmila Catharina
Uma jornalista de 23 anos, nascida e criada no quadradinho. Encantada por literatura e todas as formas de comunicação. Atualmente, ocupo o papel de estudante, mais uma vez, fazendo especialização em comunicação organizacional e estratégias digitais.

Deixe seu comentário