Auxílio Emergencial está Quase no fim. Conheça 5 Benefícios do Governo que você pode receber ainda esse mês!

Há um pensamento comum em Brasília que o Auxílio Emergencial não pode passar de 2020. Não há previsão, nem orçamento, para que o governo continue pagando para a população mais vulnerável o auxílio de R$300 (que já foi de R$600) mensalmente.

Mas a pergunta que os beneficiários dessa ajuda momentânea se fazem é: “E agora, será que há outro benefício à disposição? O Bolsa Família comportará todas as famílias assistidas pelo Auxílio Emergencial? Haverá emprego para que a população possa produzir sua própria renda?”

São muitas perguntas e, ainda, poucas repostas. Há a expectativa que o governo lance um programa que venha a substituir o Bolsa Família – abrangendo mais beneficiários e pagando um valor maior. Porém, tudo ainda é especulação. O governo precisa alinhas suas ideias e o Congresso precisa entender a proposta para aprová-la.

O Renda Brasil, que agora é Renda Cidadã está entre os programas de auxílio com a maior chance de prosperar ainda em 2020 e contemplar os inscritos no Auxílio Emergencial. Porém, nada é oficial – somente que o fim da ajuda do governo decorrente da Pandemia do novo Coronavírus está no fim.

É importante ter conhecimento das demais formas que o Governo oferece ajuda para a população. Separamos uma lista com alguns dos principais programas ofertados pelo governo federal e que você, que está sofrendo as consequências do Covid-19, pode usufruir.

Mas atenção: antes de qualquer coisa é necessário estar inscrito no CadÚnico, um banco de informações sobre as famílias em estado de vulnerabilidade e aptos para receber a ajuda do governo.

Cadastro no CadÚnico – Como fazer? Quais Documentos Necessários?

O cadastro pode ser feito no CRAS mais próximo da sua casa. Basta levar os seguintes documentos:

  • CPF ou título de eleitor; ou
  • outros documentos de identificação, como Certidão de Casamento, Carteira de Identidade (RG) ou Carteira de Trabalho (CTPS).
  • Certidão de Nascimento; ou Certidão de Casamento; ou CPF; ou Carteira de Identidade/Registro Geral – RG; ou Carteira de Trabalho; ou Título de Eleitor de todos os residentes na casa da família;
  • Comprovante de endereço, de preferência a conta de luz; Comprovante de matrícula escolar das crianças e jovens até 17 anos. Neste caso, ambos não são obrigatórios mas podem fazer a diferença no momento da aprovação.

5 Programas Sociais que podem substituir o Auxílio Emergencial

Com o cadastro em dia, você e sua família terão direito, entre tantos outros benefícios, ao acesso:

Tarifa Social de Energia Elétrica: benefício criado pela Lei n° 10.438, de 26 de abril de 2002. Tal benefício concede às famílias classificadas como Subclasse Residencial Baixa Renda um desconto na conta de luz. O desconto pode chegar até a 65% da tarifa.

Bolsa Família: famoso em todo o Brasil, o Bolsa Família tem como objetivo complementar a renda das famílias em vulnerabilidade social, ofertar o acesso aos direitos básicos e estimular o desenvolvimento da família. Veja no site oficial do programa as condições para inscrição.

Casa Verde e Amarela: programa criado para substituir o “Minha Casa Minha Vida”. O Casa Verde e Amarela tem como objetivo facilitar o financiamento do imóvel para que famílias de baixa renda possam usufruir de um lugar melhor e mais apropriado para morar.

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti): Cada criança matriculada, com 85% de frequência na escola e longe de qualquer trabalho laboral garante a família, previamente cadastrada e aprovada, um auxílio mensal que pode chegar a R$40,00 por criança. O Peti é destinado para famílias com renda de 170,00 (mensais) por pessoa da casa e com filhos abaixo dos 16 anos.

Identidade Jovem (ID Jovem): a ID Jovem garante aos brasileiros cadastrados no programa o direito à meia-entrada em eventos culturais, lazer, eventos esportivos, transporte, shows e teatro. Para emitir o documento, o jovem precisa ter entre 15 e 29 anos, estar inscrito no CadÚnico e ter renda familiar que não ultrapasse 2 salários mínimos.

Agora que você conheceu alguns dos benefícios é hora de fazer valer o seu direito. Procure o CRAS da sua região e peça ajuda dos profissionais de Serviço Social para que você seja enquadrado nos programas existentes de assistencialismo do Governo Federal.

Flavio Carvalho
Gestor de Projetos e Pessoas da WebGo Content. Especialista em SEO e novos Projetos. Formado em Relações Públicas (PUC/PR) e experiência de mais de 10 anos no Marketing Digital.

Deixe seu comentário