Dicas para quem ficou muito tempo fora do Mercado de Trabalho e Precisa voltar

Primeiramente, você sabia que existem 5,7 milhões de desalentados no Brasil? Isso mesmo! Segundo pesquisa realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) no segundo trimestre de 2020, essas pessoas estão disponíveis para trabalhar, mas não procuram emprego porque acreditam que não conseguiriam encontrar.

Esses profissionais ficam fora do mercado de trabalho por muitos meses ou anos, porque não encontram trabalho na sua cidade, não conseguem um trabalho adequado às suas habilidades, não têm experiência profissional ou, ainda, porque são discriminados por causa da idade.

Além disso, temos as pessoas que se afastaram do trabalho devido ao nascimento do filho, problemas de saúde ou, até mesmo, por causa da falta de oportunidade devido às crises econômicas que afetam o crescimento das empresas. Normalmente, quando elas resolvem retornar para o mercado de trabalho encontram muitas dificuldades.

Pensando em ajudar esses profissionais, neste texto separamos dicas para quem ficou fora do mercado de trabalho aumentar as suas chances de conseguir uma recolocação profissional. Continue a leitura e confira!

dicas-para-quem-ficou-fora-do-mercado-de-trabalho

1. Invista em qualificação profissional

É importante aproveitar o tempo livre para buscar qualificação profissional. Assim, você consegue desenvolver ou aprimorar suas habilidades técnicas e comportamentais, bem como aumenta o seu repertório de conhecimentos. Dessa forma, é possível alavancar as suas chances de conseguir uma recolocação no mercado de trabalho.

Nesse caso, você pode investir em capacitações gratuitas, como os cursos profissionalizantes oferecidos tanto presencialmente quanto a distância, os cursos técnicos disponibilizados pelos Colégios Estaduais, as palestras e os webinars online, entre outras. 

Você também pode investir em cursos de graduação ou pós-graduação e cursos de extensão disponibilizados tanto por instituições de ensino superior privadas e públicas. Em alguns casos, você tem a possibilidade de conseguir bolsas de estudos ou financiamentos oferecidos pela própria instituição ou por meio de programas do governo, como o Prouni e o Fies.

2. Faça networking

Criar uma rede de contatos profissional é essencial para que você consiga se manter ativo no mercado de trabalho. Para isso, é necessário participar de eventos na sua área de atuação para que você mantenha o contato com pessoas conhecidas. Bem como tenha a possibilidade de criar novas conexões para ampliar a sua rede de networking.

Outra dica importante, é não perder o contato com antigos colegas de trabalho e de estudos, pois eles podem te ajudar a conseguir emprego por meio de indicações. Além disso, crie um perfil no LinkedIn e faça postagens de conteúdo constantemente, essa é uma maneira viável para conhecer novas pessoas e criar relacionamentos profissionais promissores.

3. Pesquise sobre a sua área de atuação

As empresas buscam profissionais atualizados, por isso é imprescindível que você se mantenha antenado às novidades e as tendências da sua área de atuação. Especialmente, se a sua área tem influência direta das novas tecnologias, como é o caso da tecnologia da informação.

Além disso, você precisa ficar por dentro das alterações no perfil das vagas de emprego e na média salarial, assim você consegue verificar se a sua área de atuação está em ascensão, crise ou saturada. Em alguns casos, você pode repensar a sua carreira e mudar para uma área com mais oportunidades no mercado de trabalho.

4. Mantenha o currículo atualizado

Você precisa manter o seu currículo sempre atualizado e customizado de acordo com a vaga que pretende concorrer. Lembre-se de que é importante elaborar esse documento seguindo as orientações dos especialistas em carreira para ampliar as suas chances de passar no processo de triagem.

Também é essencial cadastrar o seu currículo em sites de emprego confiáveis e a cada seis meses acessá-los para atualizar as informações. Bem como deve-se criar alertas de vagas para que você não perca as oportunidades de emprego disponibilizadas nestes sites. 

5. Prepare-se para o processo seletivo

A complexidade das etapas do processo seletivo dependem do cargo e do porte da empresa que está oferecendo a vaga. Por isso, é importante que você se prepare para obter um bom desempenho tanto na entrevista quanto nos testes e nas dinâmicas de grupo.

Para tanto, você pode investir em serviços de simulação de entrevistas, que podem ajudar a treinar as respostas para as perguntas mais comuns dessa etapa. Além disso, você precisa praticar o autocuidado para se apresentar de maneira adequada diante do recrutador.

6. Procure trabalhos informais

A pergunta que toda pessoa tem medo de escutar na entrevista de emprego é: Por que você está há tantos anos sem trabalhar? Para evitar esse problema você pode procurar trabalhos informais dentro da sua área de atuação para preencher as lacunas do seu currículo. Nesse caso, você pode fazer trabalhos voluntários em ONGs.

Também tem a possibilidade de atuar como freelancer. Para tanto, existem várias plataformas que podem te ajudar a conseguir boas oportunidades de trabalho. Por exemplo, se você é jornalista, pode procurar freelas de redator em sites, como o Workana, 99Freelas, Marfin, Meu Redator, entre outros.

Assim, você se mantém atualizado na sua área de atuação. Bem como consegue ganhar dinheiro para se sustentar enquanto não encontra o emprego formal que deseja.

Ficar muito tempo desempregado pode ser frustrante, mas você não pode desanimar. O mercado de trabalho é concorrido, porém se você se preparar ampliará o seu nível de empregabilidade. Agora que você conheceu nossas dicas para quem ficou fora do mercado de trabalho, coloque elas em prática para aumentar as suas chances de encontrar uma boa recolocação profissional.

Gostou das nossas dicas? Você acredita que elas podem te ajudar a retornar para o mercado de trabalho? Deixe o seu comentário no post.

Tathiane Mantovani
Estudante de Jornalismo. Administradora formada pela UniCesumar. Especialista em Psicopedagogia Institucional, Design Instrucional, Gestão de Pessoas e Marketing de Conteúdo. Redatora SEO, Conteudista EAD e Escritora com 8 livros didáticos publicados nas áreas de Recursos Humanos e Segurança do Trabalho. Apaixonada pela arte da escrita e amante dos livros.

Deixe seu comentário

um × um =