Valor do salário mínimo 2020 é estabelecido pelo Governo

O governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) enviou ao Congresso Nacional uma proposta orçamentária em que o valor do salário mínimo esteja previsto em R$1.067.

O novo valor apresenta um aumento de apenas R$22 em relação com o salário atual. Este valor apenas contempla a inflação projetada para 2020, de 2%, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). 

Aprovado pelo Congresso, o valor começa a valer em janeiro para início de pagamento em fevereiro. A nova proposta prevê um reajuste apenas com base na inflação, como consta na Constituição, sem considerar o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) como era nos governos anteriores.

Aumento do salário mínimo em 2021?

Em 2019, o governo Bolsonaro alterou a política de reajuste salarial criado após a consolidação do Plano Real e implementada nos governos petistas para preservação do poder de compra dos trabalhadores.

Sem o aumento real no salário mínimo, o governo pretende aliviar as contas públicas, pois para cada R$1 de aumento do valor do salário, com reajuste automático dos benefícios assistenciais e previdenciários, as despesas superam os R$350 milhões no ano. 

Contas públicas – Há um déficit no PIB do país?

A previsão do governo é que o PIB tenha crescimento de cerca de 3%, porém também está previsto um rombo primário de R$233,6 bilhões para 2021.

Caso confirmada, será o oitavo ano consecutivo de déficit no país. Com receita estimada em R$1.283 trilhão e despesas somadas em R$1.517 trilhão. 

O problema é que, de acordo com o valor do teto de gastos estipulado em R$1.485 trilhão, vão faltar mais de R$450 bilhões para o pagamento da Previdência, gastos com pessoal e o complemento do Fundeb, por exemplo. A liberação desse valor vai depender da aprovação de crédito suplementar pelo Congresso.  

VEJA TAMBÉM:
Nubank anuncia empréstimo pessoal para pessoas físicas 

Poder de compra do brasileiro em 2021

O reajuste salarial pretende aumentar o poder de compra do trabalhador, mas também pode ajudar a manter a desigualdade social, perpetuando a miséria.

Segundo cálculos do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), cerca de 50 milhões de pessoas vivem com apenas um salário mínimo. O Dieese também apresenta estudos mostrando que a remuneração mensal deveria ser superior a R$4 mil para ter efetividade no combate à pobreza.

Felipe Calbo
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo atuante na chamada "massa de mídias", trazendo mais um braço da pluralidade de opinião em detrimento do mito da imparcialidade.

Deixe seu comentário