Auxílio emergencial de R$894 é confirmado: entenda melhor!

Segundo dados levantados, a proporção das casas que receberam o auxílio emergencial que está relacionado à pandemia foi menos de 43,9% no mês de agosto, para 43,6% no mês de setembro.

Mesmo assim, o valor médio que foi recebido não diminuiu quando o assunto é proporção. Segundo pesquisas realizadas pela Pnad Covid-19 – Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Covid -, o benefício foi pago para 29,9 milhões de lares no mês de setembro, sendo que em agosto foram mais de 30 milhões.

Auxílio emergencial: o que as pesquisas apontam?

Auxílio emergencial: o que as pesquisas apontam?

Por meio dessa pesquisa, os auxílios que foram pesquisados não levaram em consideração somente o auxílio emergencial, mas além dele, essa pesquisa também conta com o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e de Renda, que explica o aumento do benefício por entre os lares que possuem uma renda mais elevada.

Na região norte do país, foi verificado que 59,8% dos lares recebiam algum tipo de auxílio, enquanto no nordeste, esse número era de 58,8%.

Quantas parcelas poderá se receber do auxílio

As parcelas conhecidas como extras do auxílio emergencial no valor de R$300 são aquelas válidas para os beneficiários que já receberam o benefício de R$600 anteriormente. Mas, o número de parcelas varia de acordo da data de recebimento da primeira parcela, referindo-se aqueles que não estão cadastrados no Bolsa Família.

As novas parcelas no valor de R$300 serão pagas após a finalização das parcelas iniciais de R$600. Não é possível realizar novas inscrições, dessa forma, somente aqueles que já tinham sido aprovados para os R$600 terão chances de receber as parcelas extras.

O total de parcelas que o cidadão terá o direito de receber depende de quando começou a receber o auxílio, sendo que o máximo são 9 parcelas, com as 5 primeiras de R$600 e as 4 últimas de R$300.

Veja abaixo e entenda melhor:

  • Quem recebeu a primeira parcela no mês de abril: 9 parcelas;
  • Quem recebeu a primeira parcela no mês de maio: 8 parcelas;
  • Quem recebeu a primeira parcela no mês de junho: 7 parcelas;
  • Quem recebeu a primeira parcela no mês de julho: 6 parcelas;
  • Quem recebeu a última parcela de R$600 no mês de agosto: irá receber mais 4 parcelas de R$300 correspondente ao mês de setembro, outubro, novembro e dezembro;
  • Quem recebeu a última parcela de R$600 no mês de setembro: irá receber 3 parcelas de R$300 nos meses de outubro, novembro e dezembro;
  • Quem recebeu a última parcela de R$600 no mês de outubro: irá receber 2 parcelas de R$300 nos meses de novembro e de dezembro;
  • Quem recebeu a última parcela de R$600 no mês de novembro: irá receber apenas uma parcela de R$300 no mês de dezembro.

Por isso, fique de olho na sua data de recebimento e quais são os valores que irá receber, se programando para guardar dinheiro ou encontrar uma nova fonte de renda.

Sétima parcela do auxílio é liberado nesta quarta-feira: veja mais!

Auxílio emergencial: o que as pesquisas apontam?

A Caixa Econômica Federal começou a distribuir os pagamentos da 7ª parcela do auxílio emergencial. Conhecido como o ciclo 4, o calendário beneficia as pessoas que são nascidas em fevereiro, com o valor de R$300. O dinheiro estará disponível para movimentações da conta digital da Caixa ou pelo App Caixa Tem.

Aqueles que também são nascidos no mês de fevereiro e foram aprovados, também receberam os demais auxílios. Por isso, se você estava esperando para receber o mesmo, esse será o momento de ficar de olho em sua conta, visto que será por lá que receberá esse valor tão esperado.

Muitos brasileiros perderam seus empregos nessa pandemia, além de milhares que são autônomos ou não registrados, ficando a mercê de um benefício do governo. No caso, foram liberadas algumas parcelas de R$600, sendo posteriormente divididas em doses menores de R$300.

Muito disso salvou várias famílias brasileiras, colocando comida na mesa e melhorando a situação da vida temporariamente. Como o brasileiro possui o dom de se atualizar, muitas pessoas encontraram formas alternativas de ganhar renda extra, seja vendendo alimentos, oferecendo serviços exclusivos e demais possibilidades.

Se você é um desses brasileiros inovadores, não deixe de comentar abaixo mais sobre o que adotou para se manter durante a pandemia.

Marcela Mazetto
Jornalista formada pela PUCPR viciada em música de todos os tipos, livros e séries. Mestre em curiosidades inúteis, está sempre procurando fugir da rotina.

Deixe seu comentário