Pix vai ser aceito para pagar tarifas de serviços públicos: conheça as facilidades do recurso

O Pix, recém-lançado pelo Banco Central do Brasil, poderá ser usado para pagar por tarifas e serviços públicos. A ferramenta foi disponibilizada há menos de um mês e deve auxiliar na agilidade e praticidade das transações. Outra vantagem é que as taxas cobradas por essas transações também podem ser menores que as dos métodos convencionais.  

Com o Pix, os usuários precisam fornecer apenas um dado pessoal, como celular, e-mail, ou Cadastro de Pessoa Física (CPF), entre outras opções. A partir desse único dado, já é possível receber pagamentos direto na conta bancária. Não é preciso informar nada além. 

Muitas entidades particulares já estão adotando a tecnologia, e agora o Governo Federal também está no Pix, pelo PagTesouro. Por lá, os cidadãos poderão pagar taxas e contribuições, por exemplo, de forma muito mais simples, com compensação quase que imediata. 

Logo PixPix no PagTesouro 

PagTesouro foi criado pelo Tesouro Nacional e trata-se de uma plataforma digital que vai permitir aos usuários o pagamento de vários encargos, referentes a certificação, emissão de passaportes, multas por ausência eleitoral, multas de trânsito, inscrição em concurso, e importação de produtos e demais cobranças por serviços da Administração Pública Federal. 

Com o Pix associado ao PagTesouro, assim que o pagamento for efetuado o valor é compensado. Não há limite de valor para as movimentações. A associação do Governo Federal ao recurso tem a intenção de desburocratizar a economia pública e atualizar os pagamentos recebidos instantaneamente, em tempo real.  

Para se ter uma ideia da dimensão, a Guia de Recolhimento da União (GRU) somou só em 2019 aproximadamente 37 milhões de boletos emitidos. Em dinheiro, foi pago ao todo R$120 bilhões ao Tesouro Nacional.  

Com base nesses números, o Banco Central acredita que o Pix será uma solução ampla para administrar os pagamentos com mais eficiência. O sistema deve se tornar muito mais célere em gerir as baixas nos encargos conforme forem pagos, o que favorece as pessoas e o Estado. 

Por hora, o Pix pode ser usado para realizar pagamentos aos seguintes órgãos do governo: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE); Secretaria de Pesca e Aquicultura do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SPA/MAPA).  

No entanto, os últimos ajustes no Pix do PagTesouro já estão acontecendo e a previsão é de que até o fim de 2020 outras instituições públicas que cobram tributos diretos à população também adotem a ferramenta.  

Estão sendo feitas parcerias com as empresas que oferecem serviços de pagamentos consignados. Elas devem intermediar as transações para que os usuários tenham a opção de pagar via cartão de crédito as taxas da União. Essa novidade deve estar disponível em breve. 

Diferenciais do Pix 

A primeira coisa que chama atenção no novo recurso é o horário de funcionamento. Pelos métodos tradicionais, as operações em conta só podem acontecer dentro de um período específico: de 8h às 22h, de segunda a sexta e levam até dias para serem compensadas. 

Com o Pix é possível pagar e transferir em qualquer horário do dia, qualquer dia da semana, e o dinheiro enviado cai na conta do destinatário em no máximo 10 segundos. 

Até o momento, cerca de 677 empresas e cooperativas já se cadastraram na ferramenta, além dos aplicativos de contas digitais como Nubank, Mercado Pago, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, PicPay, C6 Bank, Santander, Banco Inter, PagSeguro, Itaú e Bradesco, por exemplo. 

Você pode acessar a lista completa das organizações que estão no Pix acessando o site do Banco Central. 

Leia também: Saiba qual a diferença entre PIX, TED e DOC

 

Ludmila Catharina
Uma jornalista de 23 anos, nascida e criada no quadradinho. Encantada por literatura e todas as formas de comunicação. Atualmente, ocupo o papel de estudante, mais uma vez, fazendo especialização em comunicação organizacional e estratégias digitais.

Deixe seu comentário