Progredir: conheça o novo programa de empréstimo do Governo Federal para os microempreendedores

Trabalhadores autônomos que queiram investir em uma ideia lucrativa ou ampliar o próprio negócio poderão, agora, recorrer a empréstimos de R$300 a R$15.000 com menos burocracia. Trata-se do programa Progredir. Vinculado ao benefício do Bolsa Família, ele visa dar suporte especialmente aos pequenos comerciantes com baixa renda. 

O novo programa do Governo Federal busca, ainda, impulsionar a independência financeira e promover geração de empregos no país, durante e após a pandemia, que tem ressaltado as desigualdades sociais entre os brasileiros. Para isso, vai facilitar o acesso ao microcrédito para os cidadãos cadastrados como MEI (Microempreendedor Individual). 

Segundo a Secretaria Especial do Desenvolvimento Social, os maiores diferenciais do Progredir são a agilidade para aprovar a solicitação, os poucos requisitos e o baixo valor das taxas de juros que são aplicadas sobre a quantia do empréstimo. 

Programa Progredir

Será de responsabilidade dos bancos a análise dos casos e a definição do valor exato de cada empréstimos a ser concedido para pessoas jurídicas com arrecadações pequenas. As instituições financeiras também terão autonomia para fazer acordos sobre as formas de pagamento junto aos solicitantes. 

Ao microempreendedor, cabe analisar quais bancos são adeptos ao programa Progredir e se manter atento para saber qual deles oferece as melhores condições de juros e financiamento. É importante também pensar em um plano de finanças para a empresa, a fim de prevenir eventuais quebras de contrato e formação de dívida. 

No caso de o empreendimento fracassar após o empréstimo, o responsável poderá permanecer inscrito no Bolsa Família. Já sob a hipótese de que o negócio se torne bem sucedido e financeiramente autossuficiente, o proprietário deverá ter a iniciativa de pedir o cancelamento do cadastro no benefício. 

A quem se aplica? 

Podem solicitar o empréstimo bancário pelo do programa Progredir aqueles que tenham um Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), na situação de microempreendedor individual, que participem do Bolsa Família e que constem no Cadastro Único. Além disso, é necessário: 

  • Ter conta na Caixa Econômica Federal; 
  • Ter 18 anos ou mais; 
  • Ter cadastro no Programa Progredir; 
  • Não ter restrição no CPF por motivo de endividamento. 

No caso de quem não possuir registro de pessoa jurídica, mas quiser formalizar o negócio para tentar um empréstimo, deve acessar o Portal do Empreendedor e solicitar a abertura do CNPJ. Feito isso, o titular precisa pagar mensalmente uma taxa que varia de R$45 a R$50 para se manter no MEI e contribuir com os tributos da previdência social – que dá direito a aposentadoria e outros benefícios. 

É preciso lembrar que quem conseguir o empréstimo pelo programa Progredir tem o compromisso de aplicar toda a verba disponibilizada para o crescimento e manutenção do negócio. O recurso não deve ser desviado para uso pessoal. 

Como se cadastrar para o empréstimo: 

Levando em consideração que a pessoa esteja de acordo com todos os requisitos, ela deve se inscrever no programa Progredir através do site do Ministério do Desenvolvimento Social, onde será necessário preencher alguns dados. 

Depois, as informações serão encaminhadas para os bancos parceiros que, por sua vez, responderão a solicitação do microcrédito, aprovando-o ou não. Caso o empréstimo seja concedido, o banco informará, ainda, todos os detalhes como opções de parcelamento e valores dos juros. 

Ludmila Catharina
Uma jornalista de 23 anos, nascida e criada no quadradinho. Encantada por literatura e todas as formas de comunicação. Atualmente, ocupo o papel de estudante, mais uma vez, fazendo especialização em comunicação organizacional e estratégias digitais.

Deixe seu comentário