Saiba como verificar fake news pelo whatsapp

O Whatsapp é uma plataforma de troca de mensagens e comunicação em áudio e vídeo pela internet que conta com mais de meio bilhão de usuários. O aplicativo está instalado em 99% dos celulares no Brasil e 79% da população do país usam como fonte de informação.

A empresa desenvolvedora do aplicativo criou diversas ferramentas para pesquisar materiais divulgados, devido ao fluxo intenso de mensagens contendo textos duvidosos e as chamadas fake news. 

As Fake News estão cada vez mais presentes e, consequentemente, as pessoas precisam ficar mais atentas ao compartilhar uma publicação com um título atraente.

A Agência Lupa disponibilizou mais uma forma de checagem pelo aplicativo por meio de um bot. Este é um programa de computador fabricado para automatizar processos repetitivos, com objetivo de ajudar as pessoas. 

Fakenews pelo Whatsapp

O bot dá a opção de enviar material para checagem, incluindo links, fotos, textos, áudios, vídeos ou links. Também é possível verificar as checagens feitas recentemente pela Lupa. 

Confira o passo a passo para a checagem:

  1. Adicione o contato +55 21 99193-3751 ao WhatsApp e envie uma mensagem qualquer;
  2. o bot responderá com as opções disponíveis. Responda com “1” para enviar uma sugestão;
  3. após a resposta do bot, envie o conteúdo para análise. O bot confirmará o recebimento e enviará um aviso de que a sugestão está sendo verificada;
  4. no menu principal do bot, envie “2” para acessar as verificações da agência. Em seguida, digite um dos números indicados para acessar conteúdos sobre Covid-19, eleições ou matérias mais recentes;
  5. o bot informará as checagens mais recentes feitas pela agência.

Dicas para identificar Fake News

A identificação de notícias falsas é a maior arma contra a disseminação no fluxo rápido e constante da era digital. O primeiro passo é não focar apenas no título que geralmente é feito para chamar atenção, em detrimento do contexto da matéria, e observar a data da publicação. Essa técnica é chamada de clickbait e tem como objetivo gerar acessos na página. 

Os textos relevantes geralmente contém informações bem escritas e claras, acompanhados de fontes que confirmam a veracidade daquela notícia. Devido a força das redes sociais, os vídeos e imagens são circulados de forma mais rápida e são perigosos por não possuírem fontes. Nesse momento vale tentar encontrar o mesmo arquivo publicado em sites confiáveis. 

É importante ressaltar que, em alguns momentos, as fakes news aparecem com fontes falsas. Até mesmo capas de jornais e revistas podem ser adulteradas com informações falsas a fim de influenciar a opinião das pessoas.

Outras formas para checagem

Fato ou Fake

Operada pelo grupo Globo, a apuração é feita por jornalistas que trabalham nos veículos da empresa como Época, Extra, G1, CBN, Globonews e Valor Econômico. Para fazer uma denúncia de notícia falsa, basta enviar uma mensagem na página do Facebook do Fato ou Fake ou mandar mensagem no Whatsapp pelo número (21) 97305-9827

Agência Pública – Truco

A Agência Pública é uma instituição sem fins lucrativos criada por um conjunto de mulheres em 2011. Através da Truco, a entidade avalia diversos discursos e entrevistas de políticos e categoriza cada um como: verdadeiro, sem contexto, discutível, exagerado, subestimado, impossível provar ou falso.

E-Farsas

O site é o mais antigo, lançado em 2001, sendo responsável por avaliar boatos espalhados pela internet. Para enviar uma publicação para ser analisada, basta enviar mensagem na aba de Contato no site.

Fake Check

A plataforma foi criada por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Federal de São Paulo (UFSCar) com objetivo de detectar fake news. A análise é feita por inteligência artificial e basta enviar uma mensagem para o bot do whatsapp pelo número (16) 98112-8986.

Felipe Calbo
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo atuante na chamada "massa de mídias", trazendo mais um braço da pluralidade de opinião em detrimento do mito da imparcialidade.

Deixe seu comentário