CadÚnico oferece mais de 20 benefícios

O Cadastro Único é uma ferramenta essencial para o acesso de famílias carentes aos programas sociais do governo federal. Para saber quais benefícios ele oferece basta acompanhar o artigo.

Cadastro Único

Aproximadamente 20 benefícios sociais são oferecidos aos brasileiros por meio do Cadastro Único. 

Mais conhecido como CadÚnico, o Cadastro Único é vinculado aos programas sociais do governo federal e atua como um instrumento de identificação da população de baixa renda.

Desse modo, é possível conhecer melhor a realidade socioeconômica dessas famílias, bem como características da residência, identificação de cada pessoa, escolaridade, situação de trabalho e renda, entre outras informações.

 

Famílias com baixa renda podem se inscrever

Desde 2003 o CadÚnico é a principal ferramenta do Estado para selecionar e incluir famílias de baixa renda em programas sociais federais, bem como o pagamento de benefícios como o Bolsa Família, Tarifa Social de Energia Elétrica, Minha Casa Minha Vida, Bolsa Verde, entre outros. 

A responsabilidade do Cadastro Único é compartilhada entre o governo federal, os estados, os municípios e o Distrito Federal e também da Caixa Econômica Federal que mantém os pagamentos e benefícios.

Como se inscrever no CadÚnico

Os brasileiros interessados em se inscrever no Cadastro Único devem se responsabilizar por prestar informações relativas aos membros da família para o entrevistador e, para isso, devem ter pelo menos 16 anos e ser, preferencialmente, mulher.

A pessoa deverá garantir que as informações comunicadas durante a entrevista são verdadeiras e se comprometer a manter o cadastro atualizado. Dúvidas e orientações podem ser solucionadas no Centro de Referência de Assistência Social (Cras) mais próximo de sua casa.

Os documentos obrigatórios são:

  • CPF ou Título de Eleitos do responsável;
  • Documentos de identificação como certidão de nascimento, certidão de casamento, CPF, carteira de identidade (RG), carteira de trabalho ou Título de Eleitor para os membros da família.

Vale ressaltar que famílias indígenas e quilombolas também devem apresentar documentos de identificação do responsável e dos membros da família.

Os documentos não são obrigatórios, mas facilitam o cadastramento são:

  • Comprovante de endereço (água e luz);
  • Comprovante de matrícula escolar até 17 anos;
  • Carteira de trabalho;
  • Cadastramento de pessoas sem documento.

A não apresentação dos documentos obrigatórios torna o cadastro incompleto e a família não poderá participar de programas sociais.

No entanto, é fundamental que toda documentação solicitada seja providenciada para que a família consiga garantir o cadastro e, consequentemente, o acesso aos benefícios oferecidos por meio dos programas sociais.

O Bolsa Família, por exemplo, é um dos principais fornecedores de alimentos para as famílias de baixa renda no Brasil. Isso garante uma ação efetiva no combate à fome no país.

O Minha Casa Minha Vida surgiu para facilitar a aquisição de imóveis residenciais por parte de famílias pobres ao garantir subsídio para a compra, bem como boas condições de pagamento.

Assim como esses, tantos outros programas garantem uma vida digna às famílias mais carentes e, mesmo que parcialmente, ajuda a reduzir o impacto da desigualdade social que existe no Brasil.

Felipe Calbo
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo atuante na chamada "massa de mídias", trazendo mais um braço da pluralidade de opinião em detrimento do mito da imparcialidade.

Deixe seu comentário

doze + um =