Documentos essenciais para vacina da Covid-19

Os cidadãos que vão tomar a vacina contra o novo coronavírus precisam apresentar alguns documentos na hora do procedimento. Veja quais são esses documentos e se prepare para a imunização.

Vacina Covid-19

A pandemia do novo coronavírus assola o país e o mundo desde março de 2020. Desde então a corrida por uma vacina tem sido intensa por parte dos cientistas e muito esperada por grande parte da população.

Milhares de pessoas já morreram ou foram infectadas pelo vírus em todo o globo. A tão aguardada espera por uma imunização já foi sanada em alguns países e agora chegou a vez do Brasil.

 

Documentos não são obrigatórios, mas são essenciais

O Ministério da Saúde revelou que o início da vacinação contra a Covid-19 no Brasil será feito entre os dias 20 de janeiro e começo de março.

Até que o processo de imunização seja concretizado é necessário manter as medidas sanitárias de prevenção a fim de evitar novas contaminações e mortes pelo vírus.

Além disso, até a liberação da vacina os cidadãos podem se organizar e separar a documentação necessária.

Documentos

Antes de qualquer coisa é fundamental informar que nenhum brasileiro será proibido de receber a vacina, até mesmo aqueles que não apresentarem as documentações solicitadas para a realização do procedimento.

Essa informação foi confirmada pelo Ministério da Saúde, mas a recomendação é de que os cidadãos que puderem estejam munidos com documentos como CPF ou o Cartão Nacional de Saúde (CNS), mais conhecido como Cartão SUS.

Para ter um Cartão SUS é só ir até a unidade de saúde mais próxima munido com RG, CPF, comprovante de residência, certidão de nascimento ou casamento. O cartão fica pronto na hora.

Outra alternativa é para quem já tem o cadastro no SUS é emitir a segunda via através do sistema SUS Online

Os documentos solicitados são fundamentais para a identificação das pessoas, bem como o conhecimento do histórico de saúde de cada paciente da rede pública de saúde.

Contudo, uma única exigência será feita aos cidadãos pertencentes ao grupo de risco, pois eles são considerados pacientes prioritários no processo de imunização. São eles:

  • Trabalhadores da saúde;
  • Idosos com mais de 75 anos ou a partir de 60 residentes em asilos;
  • População indígena.
  • Entre outros.

Vale ressaltar que essa definição foi determinada pelos órgãos responsáveis com base nos riscos à saúde de populações mais propensas à contaminação e morte pela doença.

Vacina

O Ministério da Saúde estima que a campanha de vacinação para a Covid-19 atingirá aproximadamente metade da população brasileira, cerca de 109,5 milhões de pessoas, em apenas duas doses.

Posteriormente os cidadãos vacinados serão aqueles com doenças crônicas como pressão alta, diabetes e doenças no coração. Seguidos por trabalhadores que atuam no setor de segurança, como policiais e funcionários do sistema prisional, além dos detentos.

Os bebês e crianças saudáveis ainda não foram incluídos no calendário, bem como jovens e adultos com até 59 anos que não apresentam nenhuma doença.

É importante dizer que as informações oferecidas pelo Ministério da Saúde são uma projeção e podem vir a ser modificadas se houver necessidade.

Felipe Calbo
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo atuante na chamada "massa de mídias", trazendo mais um braço da pluralidade de opinião em detrimento do mito da imparcialidade.

Deixe seu comentário

10 − um =