Nota do Enem: Quais os Programas utilizam a nota do Enem? Conheça TODOS!

Como muitos já sabem, a edição de 2020 do Enem precisou ser adiada por conta da pandemia de covid19 e está acontecendo agora, entre os meses de janeiro e fevereiro de 2021. 

A prova impressa, que é o modelo base do Enem, terá o segundo dia de realização neste domingo, dia 24 de janeiro. Neste ano, uma novidade também vai acontecer nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro: a versão digital do Exame Nacional do Ensino Médio. 

Seja no modelo impresso ou digital, os candidatos que fazem o Enem podem ter dois objetivos: receber um certificado de conclusão do Ensino Médio, ou, na maioria dos casos, entrar em um curso de graduação. A partir do dia 29 de março deste ano, quando as notas da prova serão lançadas, os estudantes vão poder escolher o que fazer com a média de pontos. 

Para os que desejam seguir a carreira estudantil e ingressar em uma Universidade, o resultado do Enem pode ser utilizado de três formas: o Sisu, o Prouni e o Fies. 

O que é o Sisu?

Fonte: Agência Brasil

 

Sisu é o Sistema de Seleção Unificada do Ministério da Educação. Ele utiliza as notas dos candidatos do Enem para oferecer vagas no Ensino Superior público. Os estudantes com os melhores desempenhos no Exame Nacional do Ensino Médio têm a possibilidade de entrar no curso que desejam. 

Lembre-se de que o Sisu permite que as instituições de ensino sigam a Lei de Cotas. Portanto,  algumas universidades separam vagas para que a política afirmativa seja seguida e outras podem adotar um bônus para os candidatos que se encaixam na legislação.

Existem alguns critérios gerais a serem seguidos para quem ficou interessado em participar do Sisu: 

  • Ter participado da última edição do Enem;
  • Não ter feito o Enem como treineiro;
  • Não ter zerado a redação do Enem.

Além dessas regras, é importante ressaltar que determinados cursos podem seguir normas diferentes, como a instituição de peso ou nota mínimos para determinada área do conhecimento ou média mínima para a prova em geral. 

Depois de toda essa análise do Enem, o candidato ao Sisu ainda precisa prestar atenção em outras questões. Todos os dias, o Sistema de Seleção Unificada atualiza a área do inscrito com a nova nota de corte para entrar no curso escolhido pelo estudante.  Essa nota é a mais baixa possível para ficar entre os selecionados na modalidade e tem um trabalho de referência, para que o interessado saiba se ele ainda tem chances de conseguir a vaga desejada. 

Depois da realização do Enem, fique atento ao início das inscrições no site do Sisu para ter a oportunidade de entrar em uma Universidade pública. 

Qual a relação entre o Prouni e o Enem? 

O Programa Universidade para Todos, o Prouni, também foi criado pelo Ministério da Educação e oferece bolsas de estudos, que podem ser integrais ou parciais, em instituições privadas de Ensino Superior. 

Para se candidatar a uma bolsa, a pessoa interessada precisa:

  • Ter participado da última edição do Enem;
  • Ter tirado a nota mínima de 450 pontos no Enem;
  • Não ter zerado a redação do Enem;
  • Comprovar renda familiar mensal. 

Quem quer tentar ganhar uma bolsa integral no Prouni, precisa ter renda familiar mensal por pessoa de até 1,5 salário mínimo. Já para as bolsas parciais (50%), a renda familiar bruta mensal deve ser de até três salários mínimos por pessoa. 

No momento, a seleção do Prouni está sendo feita com candidatos que participaram da edição de 2019 do Enem. 

Como funciona o Fies?

 O Fies é uma forma de conseguir financiamento estudantil para entrar em um curso de graduação.  Assim como todos os outros programas já mencionados, ele também precisa que o candidato tenha feito o Enem. Apesar disso, neste caso, pode ter sido qualquer edição do Exame Nacional do Ensino Médio desde 2010. Os outros critérios são: 

  • Ter tirado a nota mínima de 450 pontos no Enem;
  • Não ter zerado a redação do Enem;
  • Comprovar renda familiar mensal bruta de até três salários mínimos por pessoa . 

O Fies funciona assim: os financiamentos têm taxa real zero de juros. Durante a graduação, o aluno paga mensalmente um valor de coparticipação. Ao se formar, ele deve pagar os valores restantes, ou seja, fazer a amortização, de acordo com a realidade financeira dele.   

Avatar
Formada em Jornalismo pela PUCPR. Atualmente está cursando Pós Graduação em Questão Social e Direitos Humanos na mesma instituição de ensino. Tem paixão por informar as pessoas e acredita que a comunicação é uma ferramenta que pode mudar o mundo!

Deixe seu comentário

13 − um =