TRI Social: Porto Alegre continuará distribuindo o benefício até fevereiro

Os gaúchos que moram em Porto Alegre podem ficar tranquilos: a distribuição do cartão TRI já foi retomada. É possível retirá-lo até o dia 12 de fevereiro no Ginásio Tesourinha, que fica no bairro Azenha. O endereço é: Av. Erico Veríssimo, s/n – Menino Deus.

A entrega é feita de segunda a sexta-feira, das 13h às 17h. Para pegar o cartão, basta levar documento oficial com foto e fazer a biometria.   Nos dias 1 e 2 de fevereiro o serviço não vai estar funcionando.

O TRI Social foi criado pela Prefeitura de Porto Alegre e funciona com créditos para que a população possa andar de ônibus na cidade. Ele atende cerca de 51 mil famílias que:

  • Estão na primeira faixa do Bolsa Família;
  • São cadastradas no CadÚnico;
  • Tem renda de até R$89,00;
  • São beneficiárias do Cartão Social da Prefeitura de Porto Alegre.

O cartão funciona assim:

  • Apenas o responsável pelo grupo familiar pode usar o cartão;
  • O usuário é identificado com biometria facial. Quem usá-lo incorretamente pode perder o benefício;
  • Ele dá direito a 44 passagens por mês e pode ser recarregado pela prefeitura;
  • O período de uso é de 3 meses;
  • O cartão permite o uso em trajetos de ônibus em Porto Alegre, das 9h às 16h59 e das 20h às 05h59, ou seja, fora dos horários de pico.

Quem acredita que tem direito ao TRI Social pode conferir a lista dos beneficiários.

Como surgiu o TRI Social?

Mulher segura o cartão TRI Social. Créditos: Prefeitura de Porto Alegre

O TRI Social faz parte do Plano Emergencial de Proteção Social da Covid19, elaborado pela Prefeitura de Porto Alegre. O objetivo das medidas criadas durante a pandemia do novo coronavírus é  minimizar os efeitos sociais econômicos criados por ela. Estima-se que 150 mil famílias foram beneficiadas pelo programa desde que ele começou, em março de 2020.

Três grupos foram escolhidos para serem beneficiadas pelo Plano Emergencial de Proteção Social da Covid19:

  • 12,7 mil famílias em situação de extrema pobreza que ainda não têm registro no CadÚnico e não recebem nenhum auxílio federal, como Bolsa Família, Seguro Desemprego ou Auxílio Emergencial;
  • 105,4 mil famílias que já constam no CadÚnico, e já acessam benefícios e serviços sociais federais, estaduais e municipais;
  • Cerca de 32,5 mil famílias desempregadas e temporariamente sem renda em função da crise.

Cartão Social

Além de instituir o TRI Social, a Prefeitura de Porto Alegre também criou o Cartão Social durante a pandemia de covid19. Ele abrange mais de 6,4 mil famílias, que estão no CadÚnico e não recebem outros benefícios.  O valor recebido por grupo familiar depende da renda dele:

  • Renda per capita até R$ 89 receberá fixo: R$ 150
  • Renda per capita até R$ 178 receberá fixo: R$ 100
  • Renda per capita até R$ 522,50 receberá fixo: R$ 50

Cada membro adicional, como criança, cônjuge, adolescente, deficiente ou idoso recebe um extra de R$50,00. Não há limite de pessoas, mas todas elas também precisam estar cadastradas no CadÚnico.

O Cartão Social pode ser usado para compras de gêneros alimentícios, material de higiene e limpeza. Ele foi concedido por um prazo de três meses que era prorrogável enquanto durasse a pandemia de covid19.

De acordo com a Prefeitura de Porto Alegre, esse benefício auxilia famílias em estado de vulnerabilidade social por conta da pandemia de covid19 e impulsiona a economia local dos pequenos negócios.

Enfrentamento da pandemia de covid19 em POA

A Prefeitura de Porto Alegre criou o Plano Emergencial de Proteção Social da Covid19 para combater as consequências da pandemia nos âmbitos social e econômico na capital, mas ela também atua no setor da saúde.

De acordo com o último boletim divulgado pela Secretaria Municipal da Saúde, no dia 27 de janeiro,  mais de 30 mil doses da vacina contra a doença foram aplicadas na cidade. Os públicos que tomaram a primeira dose do imunizante foram profissionais da saúde, idosos, acamados, deficientes, indígenas e quilombolas.

Para solicitar o agendamento da vacinação em instituições de idosos acamados, a Secretaria de Saúde lançou um canal no WhatsApp: (51) 99388-0881. É necessário ter o número do CPF, nome do paciente, data de nascimento dele, confirmação da condição de acamado, se há dificuldade de locomoção e se ele tem o auxílio de cuidadores.

Avatar
Formada em Jornalismo pela PUCPR. Atualmente está cursando Pós Graduação em Questão Social e Direitos Humanos na mesma instituição de ensino. Tem paixão por informar as pessoas e acredita que a comunicação é uma ferramenta que pode mudar o mundo!

Deixe seu comentário

vinte − quinze =