Aumento no Preço do Combustível: Entenda como isso vai impactar no seu bolso!

A Petrobras anunciou na última segunda-feira (08) um aumento nos preços médios de venda aos distribuidores da gasolina, diesel e GLP, gás de cozinha.

De acordo com o comunicado da estatal, o novo preço passou a vigorar a partir de terça-feira (09).

Nas refinarias da Petrobras, o preço médio de venda da gasolina passou a ser de R$ 2,25 por litro, refletindo um aumento de R$ 0,17 por litro.

Já o preço de venda do diesel passou a ser de R$ 2,24 por litro, refletindo um aumento médio de R$ 0,13 por litro.

Gasolina subiu três vezes só no começo de 2021

Essa já é a terceira alta do ano nos preços da gasolina e a segunda no valor do litro do diesel.

É importante saber que desde o início do ano, a Petrobras já elevou o valor da gasolina em 22%. Vale lembrar que em dezembro, o litro custava R$ 1,84. O diesel, teve uma alta de 10,9%.

Com as novas altas, o litro da gasolina passou a custar mais caro do que o valor do diesel às distribuidoras.

Gás de cozinha também sofreu aumento

Enquanto isso, o preço médio de venda de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), da Petrobras, o gás de cozinha, para as distribuidoras será de R$ 2,91 por kg, o que equivalente a R$ 37,79 por 13 kg.

Isso significa um aumento médio de R$ 0,14 por kg, equivalente a R$ 1,81 por 13 kg.

Política de preços

É importante saber que, na bolsa de valores, as ações da Petrobras têm queda, com os investidores de olho na política de ajustes de preços de combustíveis e preocupações quanto à transparência das decisões da estatal.

Aumento nas bombas

Em comunicado divulgado no domingo (07), a Petrobras reafirmou que não alterou o alinhamento dos preços de combustíveis em relação ao praticado no mercado internacional, após ter confirmado na sexta-feira (05) que ampliou o prazo limite, de trimestral para anual, em que calcula a paridade internacional de preços.

Além disso, a empresa ressaltou que os valores praticados nas refinarias não são os mesmos percebidos pelo consumidor final no varejo.

De acordo com a Petrobras, para que o aumento chegue aos consumidores, “são acrescidos tributos federais e estaduais, custos para aquisição e mistura obrigatória de biocombustíveis pelas distribuidoras, no caso da gasolina e do diesel, além dos custos e margens das companhias distribuidoras e dos revendedores de combustíveis”.

Mudança em tributos

Diante das muitas reclamações do setor de transporte sobre o valor dos combustíveis, o governo pensa em alterar a estrutura de tributação do setor.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na sexta-feira (05) que o governo avalia um projeto para estabelecer valor fixo de ICMS sobre combustíveis ou a incidência do ICMS sobre o preço nas refinarias.

Bolsonaro afirmou ainda que o governo está estudando sobre as mudanças no ICMS e se a viabilidade jurídica ficar comprovada, ele apresentará um projeto sobre o tema ao Congresso na próxima semana.

Segundo o presidente, os governos estaduais, junto com as assembleias legislativas, decidiriam o valor do ICMS fixo.

A Petrobras controla os preços no Brasil?

Devido ao tamanho da Petrobras, muitas pessoas pensam que é ela quem determina os preços no Brasil.

No entanto, a Petrobras diz que as revisões de preço feitas pela companhia podem ou não refletir no preço final.

Isso porque a empresa tem tributos, mas ainda há outros agentes de comercialização dos combustíveis.

E, mesmo com o fim do monopólio, em 1997, ela segue como grande referência nessa área.

Atualmente, a Petrobras é uma empresa estatal de economia mista: tem capital aberto e o acionista majoritário é o governo brasileiro.

O bloco de controle é composto pela união BNDES, BNDESPar, Caixa e Fundo de Participação Social, tem 63,5% das ações com direito a voto.

Bruna Santos
Jornalista formada pela Universidade Braz Cubas (UBC), em Mogi das Cruzes, com experiência em mídias impressas e on-line.

Deixe seu comentário

9 + nove =