Imposto de Renda 2021: Empresas devem enviar informes de rendimentos até 26/02. Veja!

Empresas, bancos e corretoras de valores devem informar aos contribuintes os informes de rendimentos referentes a 2020 até o dia 26 de fevereiro. Essa relação de valores é vital para que os cidadãos façam a declaração do Imposto de Renda 2021.

Ao receber o informe, seja pela internet ou fisicamente, confirme se todos os dados estão corretos. Informações erradas podem trazer problemas com a Receita Federal, já que ela é responsável por avaliar se existe alguma sonegação de imposto ou regularidade.

A Receita Federal ainda não informou uma data certa para a entrega do IR 2021, mas é provável que o prazo fique entre março e abril. A dica mais importante é se organizar durante o mês de fevereiro, reunir todos os documentos necessários e, assim, não ter toda a correria para fazer a declaração. Quanto mais cedo ela for feita, mais chances o contribuinte tem de receber as primeiras restituições.

Quais documentos devem ser separados?

Superintendência da Receita Federal, em Brasília.

Para fazer a declaração de imposto de renda, documentos que comprovem renda, rendas variáveis, dívidas e ônus devem ser separados pelo contribuinte. Eles são:

  • Nome, CPF e data de nascimento;
  • Nome, CPF, grau de parentesco e data de nascimento  dos dependentes (caso eles existam);
  • Endereço;
  • Comprovante da atividade profissional;
  • Cópia da última declaração do IR;
  • Conta bancária;.
  • Rendimentos de instituições financeiras, como bancos e corretora de investimentos;
  • Rendimentos de salários, pró-labore, distribuição de lucros, aposentadoria ou pensão;
  • Rendimentos de aluguéis;
  • Rendimentos como pensão alimentícia, doações, heranças;
  • Resumo mensal do livro-caixa com memória de cálculo do Carnê-leão, se aplicável;
  • Despesas médicas;
  • Seguro saúde;
  • Despesas com educação;
  • Doações;
  • Serviços tomados de pessoas físicas e jurídicas;
  • Informações sobre aquisição de um imovel (área, IPTU, etc);
  • Número do Renavam e registro no órgão regulamentador do veículo;
  • Informes de rendimentos de participações de programas fiscais, como Nota Paulista, por exemplo;

Pessoas que receberam mais de R$ 28.559,70 em 2020 devem declarar o Imposto de Renda 2021. Isso vale para os rendimentos com salário, horas extras e com o INSS (se for o caso).

Saque emergencial do FGTS e a declaração do IR 2021

Quem fez o saque emergencial do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) de até R$1045,00 no ano passado precisa informar a prática na declaração do Imposto de Renda em 2021. Isso é necessário para que a Receita Federal entenda a origem do dinheiro e para que você não entre na malha fina. O FGTS é um rendimento isento, o que significa que ele não altera a base de cálculo do IR.

Lembre-se de que na hora de informar a fonte pagadora, ela é  a Caixa Econômica Federal, com o CNJP  00.360.305/0001-04. Para saber o passo a passo de como declarar saques do FGTS, acesse esse site.

Mudança de emprego e declaração do IR 2021

Se durante uma mudança de emprego em 2020 o trabalhador ganhou mais de R$ 28.559,70, ele precisa declarar o Imposto de Renda 2021. O total  recebido em cada empresa deve ser declarado separadamente. Não esqueça que você vai precisar dos informes de todos os lugares em que você trabalhou no ano passado para fazer a declaração.

O mesmo vale para os dependentes dos contribuintes que mudaram de emprego em 2020. Isso vale para qualquer período de tempo em uma vaga de trabalho diferente.

Isenção do IR 2021

Aposentados ou pensionistas que também são pacientes com doenças graves têm o direito à isenção do IR 2021. As doenças são:

  • AIDS
  • Alienação mental Cardiopatia grave (doença grave no coração)
  • Cegueira
  • Contaminação por radiação
  • Doença de Paget em estados avançados
  • Doença de Parkinson
  • Esclerose múltipla
  • Espondiloartrose anquilosante
  • Fibrose Cística
  • Hanseníase Nefropatia grave
  • Hepatopatia grave
  • Neoplasia maligna
  • Paralisia Irreversível e Incapacitante
  • Tuberculose ativa
  • Portadores de moléstia profissional

Para conseguir a isenção é preciso ir até um médico, solicitar um laudo da doença, levá- lo ao INSS e entrar com um requerimento. Esse processo pode ser demorado e ainda negado. Se esse for o caso é possível entrar com um processo judicial.

Avatar
Formada em Jornalismo pela PUCPR. Atualmente está cursando Pós Graduação em Questão Social e Direitos Humanos na mesma instituição de ensino. Tem paixão por informar as pessoas e acredita que a comunicação é uma ferramenta que pode mudar o mundo!

Deixe seu comentário

5 × três =